Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
COVID-19

Guia prático de saúde e segurança para fábricas que não podem parar

Índice e navegação

Primeiros passos e objetivo

Nós, da PackIOT, recentemente temos ouvido relatos de clientes, parceiros e profissionais da indústria em geral com dificuldade de preparar suas instalações a se tornarem mais seguras para os trabalhadores. Por isso, resolvemos produzir este guia gratuito, em português, escrito em colaboração com diversos diretores de fábricas de embalagem na Europa.

Como você deve imaginar (ou vivenciar), algumas indústrias não param nesse momento de pandemia do Covid-19. Muitas delas trabalham com áreas vitais para o combate e prevenção do vírus, como produção de embalagem para álcool em gel, equipamentos médicos, itens de proteção individual e aparelhagem.

Nosso objetivo com este material é te ajudar a manter sua operação rodando de forma segura, cuidando da saúde e bem-estar dos funcionários, dos familiares, fornecedores e parceiros.

Esperamos realmente que possam ser dicas úteis no dia a dia da sua empresa. O material será dividido em duas partes. A primeira vai contar com o relato de um gestor industrial de uma empresa de embalagens na Europa. Ele escreveu o passo a passo que a companhia adotou para seguir operando com segurança. E compartilhamos aqui com você. Por escolha dele, todo o artigo ficará de forma anônima. 

A  segunda parte trata-se de um FAQ baseado em conversas com outros diretores industriais, além de materiais referenciados pela Organização Mundial da Saúde, Governo da Califórnia (EUA) e pela Associação Europeia de Fabricantes de Caixas (Embalagens) – EMCA.  

Fique à vontade para compartilhar com seus parceiros, clientes, funcionários e amigos. O material é realmente para ser enviado para aqueles que mais precisam. 

Relato pessoal de um gestor industrial. Como enfrentar*

"A pandemia chegou no meu país e talvez já esteja na minha fábrica, sorrateiro e altamente contagioso! Pandemia! E agora? Quais são as ações de emergência que terei que tomar para diminuir ao máximo as possibilidades de contaminação dentro da fábrica e garantir a saúde de meus funcionários? Antes de tudo, tenho que manter a calma. A sua atitude interior positiva é muito importante na minha posição de liderança na fábrica. Um líder calmo, positivo e determinado tem um impacto significante no melhoramento do clima na empresa em tempos de crise.

*O diretor industrial fez o texto de maneira anônima, a fim de colaborar com outros (a) colegas pelo mundo.

4 pontos vitais para começar

  • Transformar minha equipe de líderes em uma “task force”
  • Implementar ou expandir as ações de gestão da higiene nos postos de trabalho
  • Reorganizar o fluxo de funcionários dentro da fábrica
  • Garantir a estabilidade dos processos e a saúde financeira da empresa

De um dia para o outro, os líderes da empresa deixam de ser apenas líderes e tornam-se agentes fundamentais para a implementação de um plano de emergência que pode salvar vidas e o futuro da empresa.

Esses líderes são coordenados pela “task force” da fábrica, a qual está alinhada com o a diretoria do grupo de empresas, da qual fazemos parte.  Os participantes da “task force” são os líderes das áreas de recursos humanos, marketing, controladoria, gestão da fábrica, qualidade e diretoria.

A “task force” e os outros líderes iniciam imediatamente a comunicação “face to face”, com os funcionários, esclarecendo as ações que optamos por tomar imediatamente:

– Distância entre os funcionários de no mínimo 1,5 metros

– Limpeza das mãos frequentemente com água e sabão por no mínimo 30 segundos

– Utilização frequente do desinfetante de mãos

– Definição de um funcionário para limpar diariamente as maçanetas das portas, superfícies das mesas e de algumas máquinas

– Os operadores das máquinas recebem desinfetantes em forma de spray para limparem regularmente os painéis e as ferramentas

– Fechamento da cantina e dos aparelhos automáticos de café, bebidas e snacks

– Área sociais são proibidas para uso, assim como qualquer tipo de aglomeração

– As duchas nos vestiários são interditadas. Os banheiros são desinfetados uma vez por turno

– Em caso do aparecimento de sintomas da doença, o funcionário deve primeiramente ligar para a empresa. Cada caso será tratado separadamente pela “task force”

– Se os sintomas forem sentidos durante o trabalho, informar diretamente o superior

– Proibição de viagens à negócios e reuniões na empresa (apenas virtualmente)

– Cancelamentos de qualquer tipo de visitas à fábrica

Em toda a fábrica são fixados cartazes relativos às ações descritas acima. Colocamos à disposição, em pontos adicionais, desinfetantes para as mãos.

O papel das áreas de Operação e do back office

Paralelamente, os líderes de recursos humanos e de marketing trabalham em um novo conceito de trabalho remoto para a área de serviço de atendimento ao cliente, pré-impressão e a área de tecnologia do produto. A meta é, primeiramente, possibilitar o trabalho de casa para o número máximo de funcionários. Neste caso temos que fazer exceções e possibilitar aos funcionários que levem para casa os PCs que, normalmente, teriam que ficar no escritório. A implementação desta ação deve ser prioritária.

Para as outras funções da empresa, onde o trabalho remoto não é possível, seguimos outra estratégia. A criação de times multidisciplinares que podem agir como backup, caso um dos times entre em quarentena. Ainda estou me referindo aos processos administrativos cujos outputs alimentam as máquinas e mantêm a produção ativa. Nesse caso, transformamos salas de reuniões em escritórios e separamos esses times fisicamente.

Adicionalmente, proibimos qualquer contato entre esses funcionários. A área de compras recebe a tarefa de cancelar todas as visitas de fornecedores à nossa fábrica. Todos os prestadores de serviços como logística, correio, etc. ficam proibidos de entrar. Nesse meio tempo o gerente da fábrica já colocou em andamento o novo sistema de turnos, no qual o início e o fim dos turnos não se interceptam. Os funcionários do chão de fábrica são treinados para evitar completamente o contato com os outros turnos durante a troca. O mesmo cenário passou a valer para o tempo nos vestiários, nas máquinas, assim como nas pausas de trabalho. Deste modo, o sistema de backup das equipes na produção pode ser garantido. Até aqui já se passaram dois dias. Os escritórios estão vazios, a produção andando como planejado com todos os turnos.

Caso algum funcionário seja diagnosticado com a doença, o plano é analisar a o mais rapidamente possível toda a cadeia de contatos desta pessoa dentro da empresa e decretar quarentena para aqueles que tiveram contato direto. A comunicação diária com os funcionários é essencial para manter o clima de motivação na empresa. Principalmente os funcionários enquadrados como “idade de risco” sentem-se sob pressão extrema e convivem com o medo diário de serem contaminados. Os líderes de cada área são orientados a conversar com os colaboradores de forma tranquila e clara, mostrando que estamos implementando todas as ações necessárias para garantir a segurança de todos.

A estratégia na produção é continuar produzindo no ritmo normal enquanto as matérias-primas continuarem disponíveis no mercado. Mesmo com o número de doentes estando bem acima da média, conseguimos manter a maioria dos turnos até agora. A cada novo dia a estratégia para a produção será revista pela “task force” e novas medidas serão tomadas. A “task force” se ocupa adicionalmente com possíveis cenários futuros para a fábrica. O “worst case” seria a quarentena da fábrica por causa de infecções. Um cenário mais realista seriam quarentenas localizadas de certas áreas. O que nos espera nas próximas semanas é difícil de ser calculado. É uma situação nova para todos".​

10 blocos de ações para implementar agora mesmo

A segunda parte do nosso guia é um apanhado de iniciativas práticas para implementar agora mesmo. Foram feitas com base em relatos de gestores industriais na Europa, além de conteúdos da OMS, Governo da Califórnia e EMCA.

Os requisitos de saúde e segurança de qualquer atividade também não devem ser comprometidos neste momento. Se uma atividade não puder ser empreendida com segurança devido à falta de pessoal devidamente qualificado disponível ou ao distanciamento social que está a ser implementado, não deve ser realizada, aponta a EMCA.

1. Medidas gerais

  • Não deve ser realizado trabalho físico não essencial que exija contato estreito entre trabalhadores
  • Planejar todos os outros trabalhos para minimizar o contato entre os trabalhadores
  • Os EPI reutilizáveis devem ser cuidadosamente limpos após a sua utilização e não partilhados entre os trabalhadores
  • Os EPI de utilização única devem ser eliminados de modo a não poderem ser reutilizados
  • As escadas devem ser utilizadas em vez de elevadores
  • Onde devem ser utilizados elevadores tente diminuir a sua capacidade total de carga para reduzir o congestionamento e o contacto a qualquer momento
  • Limpe regularmente os pontos de contato (portas, botões, painéis)
  • Aumente a ventilação em espaços fechados
  • Tente limpar regularmente o interior das cabinas dos veículos e entre utilizações por diferentes operadores.
  • Os pontos de recolha e armazenamento de lixo devem ser aumentados e  as latas esvaziadas regularmente ao longo e no final de cada dia.

2. Auto-isolamento

Qualquer pessoa que preencha um dos seguintes critérios não deve  ir à fábrica (ou local de trabalho, como escritórios ou oficinas de manutenção):

  • Apresenta uma temperatura alta (superior a 38 graus) ou uma nova tosse persistente.
  •  É uma pessoa vulnerável (em virtude da sua idade, condição de saúde subjacente, condição clínica ou está grávida. Confira mais no site em português da OMS/OPAS)
  • Vive com alguém em auto-isolamento ou com uma pessoa vulnerável.

Essas são as medidas iniciais. Conforme orientação da Organização Mundial de Saúde, é fundamental seguir essas orientações. 

2. Procedimento se Alguém adoecer

Se um trabalhador desenvolver uma temperatura alta ou uma tosse persistente durante o trabalho, ele deve, o mais rapidamente possível:

  • Reportar o fato ao comitê de gestão interno ou liderança da fábrica
  • Voltar para casa
  • Evitar a todo custo tocar em objetos
  • Tossir ou espirrar  num lenço de papel e colocá-lo numa caixa (ou saco) separada do lixo. Caso não haja lenços de papel, tossir e espirrar para dentro da curva do cotovelo.

Devem-se então seguir as orientações sobre auto-isolamento e não voltar ao trabalho até que seu período de auto-isolamento tenha sido finalizado.

3. Deslocamento até a fábrica

Sempre que possível, os trabalhadores devem se deslocar sozinhos para o local de trabalho. E as empresas podem seguir as seguintes diretrizes.

  • Oferecer ou recomendar um sistema seguro de transporte coletivo (ônibus da empresa com a devida higiene, limpeza)
  • Prover estacionamento para carros e bicicletas adicionais
  • Encorajar outros meios de transporte para evitar o transporte público, por exemplo, ciclismo (quando possível e respeitando a segurança de todos)
  • Providenciar instalações de limpeza das mãos nas entradas e saídas.
  • Ter um plano de contingência para apoiar o deslocamento caso alguém adoeça.

4. Visitas à fábrica

  • Reduzir ao máximo (ou parar totalmente) o acesso dos visitantes não essenciais
  • Introduzir horários de início e fim escalonados para reduzir o congestionamento e o contato
  • Monitorar pontos de acesso ao local para permitir o distanciamento social – pode ser necessário alterar o número de pontos de acesso: por exemplo aumentá-los para reduzir o congestionamento ou diminuir para permitir o monitoramento
  • Remover ou desativar os sistemas de entrada que requerem contato com a pele, por exemplo, scanners de impressões digitais
  • Exigir que todos os trabalhadores lavem ou limpem as mãos antes de entrar ou sair do local
  • Recomendar espaçamento (dois metros) entre as pessoas que esperam para entrar no local
  • Limpar regularmente superfícies de contato comuns na recepção, escritório, controle de acesso e áreas de entrega, por exemplo, scanners, telas, telefones, mesas especialmente durante períodos de pico de fluxo
  • Reduzir o número de pessoas presentes nas entradas
  • Os motoristas devem permanecer nos seus veículos se a carga o permitir e devem lavar ou limpar as mãos antes de descarregar mercadorias e materiais.

5. Lavagem das mãos e estrutura de banheiros

  • Providenciar instalações adicionais de lavagem de mãos.
  • Garantir que o sabão e a água estejam prontamente disponíveis e sempre abastecidos
  • Fornecer sanitizante  (desinfetante ou solução com alcóol) de mãos quando não houver instalações de lavagem de mãos disponíveis
  • Limpar regularmente as instalações de lavagem de mãos e verificar os níveis de sabão e desinfectante
  • Fornecer sacos de lixo adequados e suficientes para as toalhas de mão com remoção e eliminação regular. Os locais necessitarão de fornecimentos extras de sabão, higienizador de mãos e toalhas de papel e estes devem ser armazenados de forma segura.

    Instalações sanitárias

  • Restringir o número de pessoas que utilizam as instalações sanitárias em qualquer altura
  • Lavar as mãos antes e depois de utilizar as instalações
  • Melhorar os regimes de limpeza das instalações sanitárias, especialmente puxadores das portas, fechaduras e autoclismo o Os sanitários portáteis devem ser evitados sempre que possível, mas onde em uso estes devem ser limpos e esvaziados com mais frequência
  • Fornecer caixotes do lixo adequados e suficientes para as toalhas de mão com remoção e eliminação regular.

6. Refeitórios e áreas comuns de alimentação

  • Os trabalhadores devem permanecer no local uma vez que tenham entrado nele. Ou seja, evitar sair para buscar uma bebida ou um lanche rápido em lojas locais próximas à fábrica
  • Os tempos de pausa devem ser escalonados para reduzir o fluxo e o contato em todos os momentos
  • Instalações de limpeza de mãos devem estar disponíveis na entrada de qualquer sala onde as pessoas comem, com uso recomendado ao entrar e ao sair.
  • Os trabalhadores devem ser solicitados a trazer refeições pré-preparadas e garrafas de bebida recarregáveis de casa
  • Os trabalhadores devem sentar-se a 2 metros uns dos outros enquanto comem e evitar qualquer contato
  • Quando a alimentação é fornecida no local, deve fornecer apenas alimentos pré-preparados e embalados
  • Todo o lixo deve ser colocado diretamente no saco destinado e não deixado para outra pessoa limpar.
  • Todas as áreas utilizadas para comer devem ser cuidadosamente limpas no final de cada pausa e turno, incluindo cadeiras, puxadores das portas, máquinas de venda automática e dispositivos de pagamento.

8. Chuveiros e Vestiários

  • Introduzir horários de início e fim escalonados para reduzir o congestionamento e o contato a todo o momento
  • Reforçar uma maior limpeza de todas as instalações ao longo do dia e no final de cada dia
  • Considerar aumentar o número ou tamanho das instalações disponíveis no local, se possível
  • Com base no tamanho de cada instalação, determinar quantas pessoas podem usá-la a qualquer momento para manter uma distância de dois metros
  • Fornecer cestos de lixo adequados e suficientes nestas áreas com remoção e eliminação regular.

9. Reuniões presenciais na fábrica

  • Só devem participar da reunião os participantes absolutamente necessários
  • Os participantes devem estar separados uns dos outros por dois metros
  • Os ambientes devem ser bem ventilados / janelas abertas para permitir a circulação de ar fresco
  • Considere a realização de reuniões em áreas abertas sempre que possível.

10. Limpeza geral e coleta de lixo

É necessário implementar procedimentos de limpeza melhorados em todo o local, particularmente em áreas comuns e em pontos de contato, inclusive:

  • Torneiras e instalações de lavagem
  •  Lavatório e assentos
  • Puxadores das portas e placas de empurrar
  • Corrimões em escadas e corredores
  • Controles de elevação
  • Controles de máquinas e equipamentos
  • Superfícies de preparação e alimentação
  • Equipamentos telefônicos, teclados, fotocopiadoras e outros equipamentos de escritório