Os 5 maiores erros que as fábricas de embalagem cometem ao analisar o OEE

Os 5 maiores erros que as fábricas de embalagem cometem ao analisar o OEE
Powered by Rock Convert

OEE + Fabricantes de embalagens + Desafios

Todo gerente de produção está familiarizado com OEE (uma abreviação para a métrica de fabricação “Overall Equipment Effectiveness”) e tentou implementá-la em sua fábrica. Para um gerente de produção, OEE é quase tão importante quanto sua taxa de crédito nos bancos, índice de massa corporal ou qual o custo do material escolar dos filhos. Ele carrega a simplicidade de ser um número único e isso é ótimo. No entanto, há muitas armadilhas a serem evitadas ao usar isto em sua fábrica para saber se você está fazendo bem ou não. Abaixo inserimos os erros mais frequentes que os fabricantes de embalagens cometem ao usar o “número sagrado”.

1. Comparar Maçãs com Bananas

Por ser um único número, as pessoas tendem a usá-lo para comparar diferentes fábricas, como um método de projetar sua eficiência. Este é um jogo perigoso, por algumas razões:

Nem todas as empresas calculam OEE da mesma forma. Na verdade, se você perguntar a 10 gerentes de produção como eles calculam o OEE, você obterá 11 respostas diferentes. Algumas excluem a manutenção preventiva dos cálculos de disponibilidade, outras excluem as férias, outras não.

Os tamanhos dos lotes e as particularidades inerentes ao processo podem afetar enormemente o OEE. Veja, por exemplo, uma linha de extrusão de filme em comparação com a linha de tubos plásticos cosméticos. Esta última precisa parar a cada duas horas para que a troca seja feita, enquanto a primeira pode funcionar por dias sem parar.

OEE pode ser uma maneira eficaz de entender como sua fábrica está melhorando em um determinado momento, mas pode levar a conclusões erradas quando usado em diferentes processos ou fábricas. Pode ser útil comparar diferentes fábricas fazendo o mesmo produto também, ou mesmo com benchmarks, desde que se possa confirmar que as premissas para o cálculo são as mesmas.

Powered by Rock Convert

2. Medir OEE em um Período Extremamente Curto

Quando calculamos OEE para um mês, a maioria das paradas se dilui uniformemente e nos dá uma imagem razoável de como éramos eficientes. Entretanto, quando tentamos calcular OEE por turno único do OEE instantâneo, o resultado é horrível ou até pior. Esta é a principal razão pela qual qualquer parada planejada ou não planejada de mais de duas horas tem um peso enorme nos cálculos, resultando em informações desnecessárias. O OEE ou é 0% ou 100% e isso não diz muito sobre a operação. Tente procurar por períodos mais longos.

3. Não saber o que fazer com ele

Além de ser um bom número para os executivos da fábrica de embalagens, OEE pode realmente ajudar as operações a melhorar sua produção se usado da maneira correta. Por outro lado, quando usado da maneira errada, o OEE não nos ajuda a saber o que fazer para melhorar nossa eficiência. Também não diz muito sobre seu impacto quando sobe ou desce. Portanto, as variações do OEE devem vir sempre acompanhadas de uma história: “Nosso OEE no último mês caiu de 87% para 78% e a principal razão por trás disso foi um problema técnico na máquina XYZ que nos fez perder a disponibilidade.

O problema foi resolvido e tomamos as medidas necessárias para evitar que isso ocorresse novamente”. Engenheiros e pessoas técnicas como nós na fabricação gostam de usar gráficos, tabelas e slides para mostrar o que aconteceu. Na maioria das vezes, isto não é suficiente. Na Amazon, Jeff Bezos implementou a cultura de escrever Memorandos em vez de usar apresentações. Este é um exercício importante para quem o lê e para quem o escreve também. O processo de escrever nos ajuda a identificar o que é importante. Como diz Bezos: “O motivo de escrever um ‘bom’ memorando de quatro páginas é mais difícil do que ‘escrever’ um PowerPoint de 20 páginas é porque a estrutura narrativa de um bom memorando força um melhor pensamento e uma melhor compreensão do que é mais importante do que o quê”.

4. Fazer quebras simples demais (ou não fazer)

Como sabemos, o OEE é calculado a partir de três componentes: Disponibilidade, Qualidade (desperdício, sucata) e Desempenho (perdas de velocidade). Na verdade, poderíamos calcular o OEE, sem nos preocuparmos com os três componentes, apenas dividindo a produção real em um determinado período pela produção ideal (esperada) no mesmo período. Embora este número seja suficiente para dizer se estamos melhorando ou piorando, ele não nos diz muito sobre o porquê de termos melhorado ou piorado. A quebra desse único número nos permite investigar o que realmente deu errado e quais as medidas a serem tomadas. Primeiro, nós os decompomos em disponibilidade, qualidade e desempenho e, em seguida, fazemos um detalhamento para entender; quais foram as fontes de refugo mais relevantes (para qualidade), quais foram as razões mais freqüentes de parada (para disponibilidade) e por que a máquina perdeu desempenho (ela estava funcionando mais lentamente por um período de tempo?).

5 – Fazer as quebras complexas demais

Medir demais é normalmente tão ruim quanto medir pouco. Devemos entender que cada novo KPI que adicionamos a nossos painéis de instrumentos aumenta o “ruído em nosso sinal”. Torna-se mais difícil identificar o que realmente importa. Além disso, cada vez que pedimos aos operadores que nos dêem uma nova entrada, ele está fazendo menos de seu trabalho, que é o de operar a máquina. Na indústria de fabricação de embalagens, estamos muitas vezes falando de produção automática integrada

Powered by Rock Convert
Close Menu