Quais São as Empresas Industriais Mais Inovadoras do Mundo?

  • Post author:
Quais São as Empresas Industriais Mais Inovadoras do Mundo?

Se há uma característica compartilhada por todas as empresas na lista de Empresas Industriais Mais Inovadoras deste ano, seria o compromisso de trabalhar de forma mais inteligente.

Quer isso signifique usar o aprendizado de máquina para identificar maneiras pelas quais as instalações de fabricação podem reduzir as emissões de carbono, criar produtos finais de fontes improváveis ​​ou repensar como materiais abundantes, mas negligenciados, podem ser reaproveitados, as empresas deste ano estão trazendo novas ideias à tona, em grande parte com um olho para práticas de fabricação sustentáveis.

Algumas empresas nesta lista são exemplos de como os processos de fabricação sustentáveis ​​podem se inspirar em materiais que muitas vezes são deixados de lado.

Outras empresas nesta lista estão usando algoritmos poderosos e poder de processamento para digerir inúmeros pontos de dados que saem das instalações de fabricação e transformá-los em insights acionáveis, incluindo as configurações ideais para uma determinada instalação.

Assim como nenhuma instalação é capaz de funcionar sem trabalhadores, esta lista não estaria completa sem incluir empresas que inovam em segurança e treinamento dos trabalhadores. Por fim, outras empresas da lista estão usando a Internet das Coisas para ajudar a monitorar os trabalhadores e as condições do local ou usando a realidade virtual para treinar trabalhadores em práticas de produção remotamente.

Não há falta de inovação na manufatura, e essas empresas são as que se distinguiram em um mar de outras empresas.

1. SOLUGEN – INOVAÇÕES INDUSTRIAIS

Quando a maioria das pessoas pensa em xarope de milho, elas não estão inclinadas a pensar que ele está sendo transformado em produtos químicos industriais. Mas a Solugen está usando a substância doce como matéria-prima para fazer exatamente isso – usando enzimas e catálise de metal para eliminar o uso de petróleo, carvão e gás natural do processo de fabricação de produtos químicos para tudo, desde tratamento de água até sabão em pó e fertilizantes.

A empresa encontrou uma maneira de tornar o processo mais eficiente: hoje, seu processo de produção de um produto químico usa quase toda a matéria-prima que coloca. O processo de carbono negativo e a capacidade da Solugen de vender quantidades flexíveis de produtos químicos para empresas que buscam reduzir sua própria pegada ajudaram a empresa a fazer incursões em um setor tradicionalmente lento.

2. GUARDHAT – INOVAÇÕES EM SEGURANÇAS INDUSTRIAIS

Como símbolo de segurança, o capacete teve pouco em termos de atualização, mas o Guardhat está mudando isso. Em um setor com 874 milhões de lesões e acidentes todos os anos e 2,7 milhões de mortes, o capacete habilitado da empresa tem sido usado pelos principais fabricantes desde seu lançamento em 2020 para proteger seus funcionários.

Com um chip que permite o rastreamento 3D para localizar rapidamente os trabalhadores em caso de emergência, juntamente com um botão SOS, recursos de gravação e a capacidade de fazer chamadas de vídeo e áudio, o capacete já foi usado por mais de 5.000 pessoas, evitando que mais de 2.000 possivelmente incidentes perigosos.

Também pode ser usado para rastreamento de contatos COVID-19 entre os trabalhadores. O fundador da empresa, Saikat Dey, costumava trabalhar em operações de aço na América do Norte para um grande produtor global, então ele entende a importância da segurança do trabalhador.

3. PHLOW – FORNECIMENTOS INDUSTRIAIS

Como fabricante de ingredientes farmacêuticos ativos (APIs) e produtos farmacêuticos acabados, a Phlow está em uma missão para melhorar a cadeia de suprimentos de medicamentos.

Em 2021 a Phlow reuniu 11 hospitais infantis líderes para criar a Coalizão Hospitalar Infantil. Por meio da coalizão, a Phlow garantiu o fornecimento e a acessibilidade de certos medicamentos. A Phlow também está focada na construção de um estoque nacional de APIs para se preparar para uma emergência de saúde pública.

4. AVEVA – INOVAÇÕES EM ALGORITMOS

No mundo da manufatura, há muito tempo as empresas pensam pouco sobre as emissões de gases de efeito estufa resultantes de suas fábricas, refletindo a importância geral em investir dinheiro e tempo na previsão manual de emissões de gases e na implementação de estratégias de mitigação.

É aí que entra o software de simulação de processos da Aveva, que usa uma ferramenta amplamente utilizada para ajudar os engenheiros a prever como as mudanças no projeto maximizarão as taxas de produção e adiciona a capacidade de ver as emissões geradas por um determinado projeto.

A empresa descobriu que seus clientes obtiveram economias de custos de energia entre 15% e 30% e reduziram as emissões de carbono em 9% a 15%.

5. ORIGIN MATERIALS – INOVAÇÕES INDUSTRIAIS

Em 2020, a demanda por plásticos de polietileno tereftalato (PET) foi de 27 milhões de toneladas, segundo a Statista, que estima que esse número deve chegar a 42 milhões de toneladas até 2030.

Produzido por meio de matéria-prima à base de óleo, a produção de PET cria uma parcela proporcional de emissão de gases de efeito estufa. A Origin Materials está procurando mudar isso: Produz plástico PET usando carbono derivado de fontes de biomassa, como sucata de fábricas de papel, criando um processo de produção de PET negativo em carbono.

Entre seus clientes estão Nestlé Waters, Ford, Danone e Pepsi, e está firmando parcerias visando explorar outros usos para os subprodutos do processo de produção do PET.

6. TMC

Normalmente, uma empresa encomendando 500 kg de lã forte estaria fazendo tapetes ou estofados, colocando a durabilidade da lã para funcionar. Sempre disposta a um desafio, a inovadora têxtil neozelandesa TMC — antiga Merino Company — pegou essa meia tonelada de lã e, ao longo de quase três anos, desenvolveu um fio de lã superfino com ultra durabilidade que o torna um substituto perfeito para o nylon e outros sintéticos e permite que as empresas aumentem a quantidade de fibra natural em suas roupas.

Com a lã forte representando cerca de 87% dos produtos da Nova Zelândia, alguns produtores acabam levando o excesso para aterros sanitários, tornando esta uma opção viável para reduzir o desperdício nessa cadeia de suprimentos.

7. SEEBO

Com seus recursos de inteligência artificial baseada em processos, a Seebo está ajudando vários fabricantes a otimizar seus processos de produção, minimizando desperdícios e emissões no processo. A empresa ajudou fabricantes de alimentos – incluindo Barilla, Nestlé e Mondelez – a reduzir o desperdício de alimentos por meio de processos de produção mais eficientes, reduzindo o desperdício em até 37% em uma única linha de produção.

A IA baseada em processos da Seebo também ajuda os fabricantes de uso intensivo de energia em indústrias como a produção de vidro e cimento a personalizar metas como rendimento e qualidade. Como resultado, as empresas podem gerenciar mais facilmente os custos de energia e os níveis de emissões, incentivando uma mudança para uma fabricação mais ecológica.