7 empresas que faliram por falta de inovações

  • Post author:
7 empresas que faliram por falta de inovações

É loucura pensar que 88% das empresas da Fortune 500 que existiam em 1955 se foram. Essas empresas faliram, se fundiram ou ainda existem, mas caíram de rendimento por falta de inovações. A maioria das empresas na lista em 1955 são empresas esquecidas hoje.

À medida que as expectativas de vida das empresas continuam a diminuir, as organizações devem estar mais vigilantes do que nunca para permanecerem inovadoras e preparadas para o futuro de seus negócios.

Aqui estão 7 empresas famosas que falharam em inovar, resultando em fracasso nos negócios.

1. BLOCK BUSTER (1985 – 2010)

A gigante dos serviços de aluguel de filmes e videogames caseiros, Blockbuster Video, foi fundada em 1985 e sem dúvida uma das marcas mais icônicas no espaço de aluguel de vídeos. Em seu auge em 2004, a Blockbuster empregava 84.300 pessoas em todo o mundo e tinha 9.094 lojas. Incapaz de fazer a transição para um modelo digital, a Blockbuster decretou falência em 2010.

Em 2000, a Netflix abordou a Blockbuster com uma oferta para vender sua empresa à Blockbuster por US$ 50 milhões. O CEO da Blockbuster, não estava interessado na oferta porque achava que era um “negócio de nicho muito pequeno” e estava perdendo dinheiro na época. Em julho de 2017, a Netflix tinha 103,95 milhões de assinantes em todo o mundo e uma receita de US$ 8,8 bilhões.

2. POLAROID (1937 – 2001)

Fundada em 1937, a Polaroid é mais conhecida por seus filmes instantâneos e câmeras Polaroid. Apesar de seu sucesso inicial em capturar um mercado que tinha poucos concorrentes, a Polaroid não conseguiu prever o impacto que as câmeras digitais teriam em seu negócio.

Caindo na ‘armadilha do sucesso’ explorando apenas suas atividades comerciais (historicamente bem-sucedidas), a Polaroid negligenciou a necessidade de explorar novos territórios e aumentar sua viabilidade a longo prazo.

A Polaroid Corporation original foi declarada falida em 2001 e sua marca e ativos foram vendidos. Em maio de 2017, a marca e propriedade intelectual da corporação Polaroid foi adquirida pelo maior acionista do Impossible Project, que havia começado originalmente em 2008 com a produção de novos filmes instantâneos para câmeras Polaroid. O Impossible Project foi renomeado para Polaroid Originals em setembro de 2017.

3. TOYS “R” US (1948 – 2017)

Toys “R” Us é uma história mais recente sobre a luta financeira de uma das maiores cadeias de lojas de brinquedos do mundo. Com o benefício da retrospectiva, a Toys “R” Us pode ter levado à sua própria ruína quando assinou um contrato de 10 anos para ser o fornecedor exclusivo de brinquedos na Amazon em 2000.

A Amazon começou a permitir que outros fornecedores de brinquedos vendessem em seu site apesar do acordo, a Toys “R” Us processou a Amazon para encerrar o acordo em 2004. Como resultado, a Toys “R” Us perdeu a oportunidade de desenvolver sua própria presença no comércio eletrônico desde o início.

 Tarde demais, a Toys “R” Us anunciou em maio de 2017 seu plano de renovar seu site como parte de um investimento de US$ 100 milhões em três anos para impulsionar seus negócios de comércio eletrônico.

Embora tenha pedido falência em setembro de 2017, sob pressão de sua dívida de US$ 1 bilhão e acirrada concorrência no varejo online, continuou a manter suas lojas físicas abertas.

4. PAN AM (1927 – 1991)

A Pan American World Airways (também conhecida como Pan Am), fundada em 1927, era a maior companhia aérea internacional dos Estados Unidos. A empresa era conhecida como inovadora no setor e foi a primeira companhia aérea a oferecer sistemas de reservas computadorizados e jatos.

A queda da Pan Am é atribuída a uma combinação de má gestão corporativa, indiferença do governo em proteger sua principal operadora internacional e política regulatória falha. Ao investir demais em seu modelo de negócios existente e não investir em inovações futuras, a Pan Am entrou em falência em 1991. A Pan Am sobreviveu apenas na cultura pop por meio de seu icônico logotipo azul, que continua a ser impresso em bolsas e T-shirts e como tema de um programa de TV na ABC estrelado por Christina Ricci.

5. BORDERS (1971 – 2011) –

A Borders era uma varejista internacional de livros e música, fundada por dois irmãos empreendedores enquanto cursava a universidade. Com locais em todo o mundo, mas com dívidas crescentes, a Border não conseguiu fazer a transição para o novo ambiente de negócios de livros digitais e online. Seus erros incluíram manter muitas dívidas, abrir muitas lojas e entrar no negócio de e-readers tarde demais.

Infelizmente, a Borders fechou todos os seus locais de varejo e vendeu sua lista de fidelização de clientes, composta por milhões de nomes, para a concorrente Barnes & Noble por US$ 13,9 milhões. Desde então, os locais da Borders foram comprados e reaproveitados por outros grandes varejistas.

6. PETS.COM (1998 – 2000)

Pets.com era um negócio online que vendia acessórios e suprimentos para animais de estimação diretamente aos consumidores pela World Wide Web. Embora de curta duração, Pets.com conseguiu encontrar algum sucesso durante um período em que não havia soluções para gerenciamento de comércio eletrônico/armazém e atendimento ao cliente que pudessem ser dimensionadas. A Pets.com foi lançada em agosto de 1998 e passou de um IPO na bolsa de valores Nasdaq para liquidação em 268 dias.

Seu alto perfil público durante sua breve existência a tornou um dos fracassos mais notáveis ​​do início dos anos 2000. US$ 300 milhões de capital de investimento desapareceram com o fracasso da empresa. Pets.com é um conto memorável de advertência de uma campanha de marketing de alto perfil, juntamente com fundamentos fracos (e timing ruim). Hoje, a URL Pets.com redireciona os usuários para o site da PetSmart.

7. TOWER RECORDS (1960 – 2004)

Pioneira em seu tempo, a Tower Records foi a primeira a criar o conceito de megaloja de varejo de música. Fundada por Russell Solomon em 1960, a Tower Records vendia CDs, fitas cassete, DVDs, aparelhos eletrônicos, videogames, acessórios e brinquedos.

À frente de seu tempo por um momento fugaz, Tower.com foi lançado em 1995, tornando-se um dos primeiros varejistas a se mover para o mundo online. Parece que as previsões da empresa pararam por aí, pois foi vítima de dívidas excessivas e, finalmente, falência em 2004.

A Tower Records não conseguiu acompanhar as interrupções digitais, como pirataria de música, iTunes e negócios de streaming como Spotify e Pandora. Seu legado é lembrado na forma do filme ‘ Empire Records ‘, que foi escrito por um ex-funcionário da Tower Records.